Você está aqui   •    Notícias Outubro/2018

AIN Special Reports: Charter Market Report 2018

Strong growth in charter flight activity outpaced gains in Part 91 and nominally advancing fractional operations in the U.S. over the past year. Global charter ops also increased as a surge of consolidation among major providers redefined the marketspace. Technology was the driving and enabling force behind much of the industry news, and a primary focus among providers seeking to maximize efficiencies and opportunities—that is, virtually all of them.

 

Part 135 flight activity grew 4.5 percent during the first half of 2018 compared with 2017, to just over 550,000 flights, levels not seen for a decade, while Part 91 activity rose 1.3 percent and the fractional fleet gained 0.4 percent, according to Argus International.

 

“I think we are back where we were pre-recession,” said Joe Moeggenberg, Argus president and CEO. “The good news is business is very good. The bad news is the industry is experiencing some issues with lift and having a hard time finding newer aircraft with all the amenities to meet the demand. That’s exactly where we were in the 2008–09 time frame.”

 

Major operators far outpaced the industry’s 4.5 percent growth rate, with total hours for the top 25 rising from about 467,000 in 2017 to 535,000 in 2018, or 14.6 percent.

 

“The top operators aren’t adding a lot of new airplanes, but they’re running a lot more efficiently,” said Moeggenberg. “Everybody has figured out how to fill up a lot of these empty legs. Operators have done a really good job of optimizing their fleets.”

 

Indeed, the combined charter fleets of the top 25 operators grew only 2 percent— from 1,023 to 1,044 aircraft from mid 2017 to mid 2018.

 

Though Part 135 activity continues to see positive growth, the rate has slowed recently, posting in June the first year-over-year (YOY) decline in activity in 25 months.

 

Gama Aviation, which operates Wheels Up’s Citation Excel/XLS and King Air 350i aircraft, in addition to its managed fleet, retained the top spot in charter flight time with 72,885 flight hours. The 18 percent rise over the prior year was in line with the 18 percent growth in its charter fleet from 99 to 117 aircraft.

 

CLICK HERE AND READ THE REPORT

 

Fonte: AINonline by James Wynbrandt

DOT Tasked With Assessing Illegal Charter

The National Air Transportation Association is hoping that a provision in the comprehensive five-year FAA Reauthorization Act of 2018 will help step up efforts to “root out” illegal charter operations. Section 540 of the bill calls on the Secretary of Transportation to produce an analysis of reports filed to the FAA’s illegal charter hotline over the past 10 years.

 

That analysis should include actions that the secretary or FAA administrator can take upon receipt of a report, how resources are allocated, and challenges of identifying charter operations. Further, the analysis must include steps that can be taken to combat illegal charter.

 

This measure comes as the international community has intensified its focus on illegal charter activities. Last spring, BACA-The Air Charter Association teamed up with the European Business Aviation Association to fight illegal charter, including an effort to collect data on the breadth and scope of “gray charter” practices through a joint reporting mechanism. NATA, meanwhile, last spring established an Illegal Charter Task Force that formalized ongoing efforts to fight the practice. That task force is working to clearly define what constitutes an illegal charter, sort through what is intentional and unintentional illegal activity, and work with the FAA, other regulators, and the industry to stem illegal practices.

 

NATA praised Sen. Catherine Cortez Masto (D-Nevada) for backing the congressional provision that the association hopes will forward these efforts. NATA president Gary Dempsey added that the measure will foster the association’s work with the FAA, “through the association’s Illegal Charter Task Force, on efforts to combat illegal charter, including helping the industry to understand the scope of the issue and recommendations for protecting passengers and legitimate businesses.”

 

Fonte: AINonline by Kerry Lynch

ANAC interdita aeronave em Salvador prestando serviço de táxi-aéreo irregular

Avião transportaria a cantora Claudia Leitte

Na quarta-feira, 17/10 - na capital baiana, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) interditou mais uma aeronave prestando o serviço de táxi-aéreo irregular, também conhecido como transporte aéreo clandestino (TACA). A ação fez parte da campanha “Voe seguro, não use táxi-aéreo clandestino” e foi motivada por uma denúncia recebida pela Agência no dia anterior (16/10). Durante a fiscalização, foi constatado que empresa e a aeronave não possuíam autorização para prestar serviços de táxi-aéreo e, portanto, não poderiam realizar transporte remunerado por não garantirem as condições necessárias de segurança desse tipo de operação. Entre os passageiros estava a cantora Claudia Leitte.

 

A aeronave utilizada, de matrícula PR-OLB, pertence à empresa Agropecuária Letícia Ltda. e só poderia ser utilizada para transporte privado. O avião foi interditado e as habilitações dos dois pilotos responsáveis pela operação foram suspensas. A ação de fiscalização ocorreu por volta das 16h desta quarta-feira no aeroporto de Salvador (BA), e a aeronave seguiria voo para o aeroporto de Congonhas (SP).

 

Após conclusão da investigação ou mesmo durante o andamento do processo administrativo instaurado para apurar o caso, os pilotos e o operador da aeronave poderão ser multados e ter suas licenças e certificados cassados. Além da aplicação de sanções administrativas, a ANAC informará o caso ao Ministério Público e à Polícia para as medidas cabíveis.

 

A operação irregular de táxi-aéreo, também conhecida como táxi-aéreo pirata, é uma infração ao Código Brasileiro de Aeronáutica e pode configurar crime, conforme previsto no artigo nº 261 do Código Penal.

 

CAMPANHA

Nos últimos meses, a ANAC vem intensificando a campanha “Voe seguro, não use táxi-aéreo clandestino”, que tem por objetivo coibir a prática clandestina de comercialização de serviços aéreos. No último dia 29/09, a agência interditou pela segunda vez aeronave que transportaria a cantora Anitta pelo mesmo motivo. As ações de fiscalização realizadas dentro da campanha “Voe seguro, não use táxi-aéreo clandestino” já foram interditadas aeronaves utilizadas pela cantora Marília Mendonça, pela dupla Maiara e Maraisa e pelo cantor Amado Batista.

 

O combate ao táxi-aéreo irregular é uma das ações fiscais da ANAC e a orientação para uma viagem segura é sempre consultar a empresa prestadora do serviço e a aeronave que será utilizada antes da contratação do serviço de transporte. A ANAC disponibiliza no seu portal uma página com instruções para a contratação. Acesse a página em http://www.anac.gov.br/assuntos/passageiros/taxi-aereo.

 

Fonte: ANAC

ICON aviation and XTI aircraft company announce first Trifan 600 order in Brazil

“Icon and XTI have established a long-term relationship to collaborate on joint expansion of our respective businesses.” — Décio Galvão, Icon Aviation CEO

(left photo: Icon and XTI CEOs)

Icon Aviation (Icon) and XTI Aircraft Company (XTI) jointly announced today that Icon has placed an order for one TriFan 600 vertical takeoff airplane. The XTI TriFan 600 is the world’s first commercial hybrid-electric VTOL airplane. With this order, XTI continues to build its global reservations backlog, now representing $416 million in gross revenues upon delivery.


Headquartered in São Paulo, Brazil, Icon is the largest private jet company in South America, amassing a fleet of around 30 aircraft dedicated to the Business Aviation market, embracing a wide range of classes and sizes and providing high-standard solutions and services for companies and individuals. This aircraft reservation is the first TriFan 600 sold into Brazil’s active and growing executive/VIP market.

“In addition to the order and our agreement for the options,” said Décio Galvão, Icon Aviation’s Chief Executive Officer, “Icon and XTI have established a long-term relationship to collaborate on joint expansion of our respective businesses. As XTI nears the point in time when it will begin deliveries of the TriFan 600, Icon will incorporate this revolutionary airplane into its fleet. That means we will be offering our customers expanded services and unparalleled door-to-door convenience.”


“We’re very pleased to be working with Icon,” said Robert LaBelle, Chief Executive Officer of XTI. “Icon is a recognized business aviation company leader in Brazil and throughout South America, and is an ideal partner and customer for the TriFan aircraft. We’ve received strong customer interest for the second year in a row at NBAA’s Business Aviation Convention, most notably our agreement with Icon.”


XTI officially launched its prototype program at the 2017 NBAA trade show in Las Vegas, and recently announced that it will be commencing flight tests of its first prototype of the TriFan next month.


The TriFan 600 is a major breakthrough in aviation and air travel. The six-seat TriFan 600 will have the speed, range and comfort of a luxury business aircraft and the ability to take off and land vertically, like a helicopter. It will travel up to 345 miles an hour True Airspeed plus a non-stop range of up to 1,200 miles. Using three ducted fans, the TriFan lifts off vertically. Its two wing fans then rotate forward for a seamless transition to cruise speed and its initial climb. It will reach nearly 30,000 feet in just ten minutes and cruise to the destination as a highly efficient business aircraft, including the comforts of a pressurized cabin.


On June 19, at the 2017 Paris Air Show, XTI announced its first orders for the TriFan 600 under the company’s pre-sales program. The pre-sales reservation program continues at this year’s 2018 NBAA, now totaling over 64 aircraft worldwide. “With the new orders at NBAA, it’s clear that the market continues to recognize the value proposition of our unique and revolutionary airplane and its patented technology,” said LaBelle. “Vertical takeoff combined with long-range, the speed and comfort of a business aircraft, and our quieter and cleaner state-of- the-art hybrid-electric propulsion system.”


XTI launched a formal stock offering in 2016 under SEC Regulation A+, which is open to all unaccredited and accredited investors around the globe. Shares in XTI may be purchased at www.startengine.com/xti-aircraft providing a unique opportunity for the general public to invest in an aerospace company with a game-changing product, a world-class leadership team, and significant growth potential.


Simultaneously with the equity crowdfunding financing, accredited investors may participate in XTI’s $25 million Series B round. Accredited investors seeking more information should contact Mr. LaBelle at rlabelle@xtiaircraft.com (571) 216-1594.


Clique aqui e assista vídeo sobre o TriFan 600

 

Fonte: XTI Aircraft

Jatos executivos supersônicos estão mais próximo da realidade

GE cria motor que permite que pequenas aeronaves voem mais rápido e quebrem a barreira do som

A General Electric acaba de concluir o design inicial do primeiro motor de avião supersônico comercial em cinco décadas, dando esperanças para que fique para trás o que era considerado um grande obstáculo para o desenvolvimento de aviões particulares e, eventualmente, de aeronaves que voam mais rápido que a velocidade do som. De acordo com a empresa, o design de dupla hélice com eixo duplo reduzirá o tempo de viagem em horas,  isso após 50 anos em que a velocidade média dos jatos particulares aumentou apenas 10%.

 

Em nota, a GE esclarece que o novo motor está sendo projetado para a Aerion, uma startup financiada pelo bilionário texano Robert Bass, que vem tentando desenvolver um jato executivo supersônico há mais de uma década.

 

"Ao invés de as aeronaves ficarem mais rápidas, as cabines aumentaram de tamanho e se tornaram mais confortáveis, e a autonomia de voo ficou mais longa. O próximo passo é a velocidade", disse Brad Mottier, vice-presidente da GE para a área de aviação executiva, no comunicado.

 

O design do motor reforça o objetivo da Aerion de colocar um avião supersônico no céu na próxima década. A Lockheed Martin Corp. está ajudando no projeto e produção do avião AS2 da Aerion, com capacidade para 12 assentos. A Flexjet, que transporta clientes que compram propriedade fracionada de aeronaves, encomendou, em 2015, 20 exemplares do modelo da Aerion, cuja meta é fazer o voo inaugural do jato supersônico em 2023, o que seria seguido de uma estreia comercial em 2025.

 

Fonte: O Globo / Bloomberg News / foto: Bloomberg

Embraer lança aviões executivos de médio porte com maior alcance, em esforço de reestruturação

Divisão , que não entrou no acordo com a Boeing, está deficitária

A Embraer está acrescentando dois jatos executivos de maior alcance à sua linha Legacy, de aeronaves de médio porte, com cabines remodeladas e tecnologia que reduz turbulências, gerando voos mais suaves, disse a fabricante de aeronaves brasileira no domingo dia 14.

 

O lançamento dos dois modelos Praetor – nomeados em homenagem aos oficiais da Roma Antiga – coincide com o tradicional evento da indústria de aviões executivos em Orlando, entre 16 e 18 de outubro, e ocorre em um momento em que a Embraer busca uma estratégia mais ampla para revitalizar sua deficitária divisão de aviões executivos.

 

Quando os modelos Praetor chegarem ao mercado em 2019, eles se juntarão a um espaço fortemente competitivo, que inclui o Challenger 350, da Bombardier, e o G280, da Gulfstream, junto com o futuro Cessna Citation Longitude, da Textron.

 

A revitalização da unidade de jatos executivos da Embraer é importante porque a companhia não poderá mais contar com a divisão de aviação comercial, que tem a melhor performance, se o acordo para unir a divisão de aeronaves comerciais com Boeing for adiante.

 

A Embraer e a Boeing anunciaram a aliança de US$ 4,75 bilhões (R$ 18 bilhões) em julho. Se o governo brasileiro concordar em ceder o controle da unidade de aviões comerciais à Boeing, a Embraer ficará com as duas divisões remanescentes, que estão no vermelho: jatos executivos e defesa.

 

O lançamento do Praetor acontece sob a direção de Michael Amalfitano, que assumiu a divisão de jatos executivos da Embraer em 2017 com o plano de oferecer aos clientes tecnologias avançadas e características de luxo que entreguem margens maiores.

 

"O Praetor 500 e o Praetor 600 são as aeronaves disruptivas para o empreendedor, o pioneiro, o inovador", disse Amalfitano em comunicado neste domingo.

 

O Praetor 500 será a aeronave de médio porte mais rápida da indústria, capaz de viajar da costa oeste dos Estados Unidos à Europa com uma única parada, disse a Embraer.

 

O Praetor 600, considerado como super médio, pode transportar quatro passageiros entre Londres e Nova York sem escala. Para voos mais curtos, a aeronave pode transportar até 10 passageiros, em uma categoria de jatos executivos que une pequenos aviões corporativos e aviões e modelos com grandes cabines para 13 a 19 passageiros.

 

Por anos, a Embraer ampliou sua fatia de mercado oferecendo grandes descontos para aviões executivos, incluindo a aeronave Phenom, de menor porte.

 

Mas Amalfitano disse aos investidores que evitará descontos, em um esforço para ampliar as margens para um dígito único médio até o fim do ano.

 

“Eles estão em uma transição nesse momento”, disse o analista de aviação norte-americano Rolland Vincent sobre a unidade de jatos executivos da Embraer.

 

Espera-se que a Embraer mantenha a sua participação de mercado de aviões executivos estável em 16 por cento entre 2018 e 2027, de acordo com estimativa publicada antes do lançamento do Praetor pela companhia de vendas e aquisições de aeronaves Jetcraft.

 

FONTE: Jornal Folha de SPaulo / Reuters

 

Como contratar um serviço de táxi aéreo

Passageiro poderá consultar a situação da empresa e realizar denúncia

Você tem interesse em contratar um táxi aéreo mas não sabe como proceder? A ANAC disponibiliza um serviço de consulta que te ajudará no momento da contratação! Para entrar na página basta acessar o site da ANAC e, no canto esquerdo, localizar a aba “Passageiros” e clicar no link Contratação de Táxi Aéreo.

 

Além de orientações para contratação do serviço de táxi aéreo, a página oferece um manual para consulta de aeronave. Assim o passageiro pode verificar se o avião ou helicóptero em que vai voar está regular perante a Agência. Com a matrícula da aeronave (também chamada como prefixo) também é possível saber se o avião ou helicóptero oferecido para prestar o serviço é próprio para aquela modalidade. Essa simples consulta contribuirá para a sua segurança.

 

DICA IMPORTANTE: antes de contratar uma empresa de táxi aéreo o passageiro deve verificar se as aeronaves da empresa que está oferecendo o serviço possuem (próximo à porta principal de entrada de passageiros), a expressão "Táxi-Aéreo" pintada, horizontal ou verticalmente, de forma bem visível. Conforme prevê o regulamento da Agência, esse nome deverá constar na parte externa da aeronave, sobre a fuselagem.

 

A página disponibiliza também a lista das empresas autorizadas pela Agência a operar serviço de táxi aéreo. Segundo o último levantamento realizado, em 08/04/2016, existem 148 empresas com certificado válido para ofertar esse tipo de serviço. É importante lembrar que a data de atualização dessa lista é semanal.

 

Se durante o processo de contratação do serviço de táxi aéreo você notar que a empresa não atende todos os requisitos aqui citados, basta encaminhar sua denúncia à ANAC. A página Contratação de Táxi Aéreo traz informativo de como proceder caso esse tipo de situação aconteça. Vale lembrar que a prática irregular de táxi aéreo é uma infração ao Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA) e deve ser denunciada à ANAC, pelo número 163, ou pelo Atendimento Eletrônico.

 

Após confirmar todas as informações é só ter uma boa viagem!

 

FONTE: ANAC

Ação da ANAC no Rio de Janeiro interdita aeronave prestando serviço de táxi-aéreo irregular

Avião transportava a cantora Anitta

Na sexta-feira (28/9), a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) interditou a aeronave de matrícula PT-WJZ durante operação de fiscalização contra o transporte aéreo clandestino (TACA), no aeroporto do Galeão (RJ), no Rio de Janeiro. Foi constatado que empresa e aeronave não possuíam autorização para prestar serviços de táxi-aéreo e, portanto, não poderiam realizar transporte remunerado por não garantirem as condições necessárias de segurança desse tipo de operação. Entre os passageiros transportados estava a cantora Anitta, pela segunda vez utilizando táxi-aéreo irregular.

 

Desta vez, o avião utilizado, um CESSNA, é pertencente a empresa Intensive Air Táxi Aéreo, que está suspensa pela ANAC desde 24 de novembro de 2014, não podendo executar voos remunerados. Além da interdição da aeronave, as habilitações dos pilotos responsáveis foram suspensas.

 

Após conclusão da investigação ou mesmo durante o andamento do processo administrativo instaurado para apurar o caso, os pilotos e o operador da aeronave poderão ser multados e ter suas licenças e certificados cassados. Além da aplicação de sanções administrativas, a ANAC informará o caso ao Ministério Público e à Polícia para as medidas cabíveis. A operação irregular de táxi-aéreo, também conhecida como táxi-aéreo pirata, é uma infração ao Código Brasileiro de Aeronáutica e pode configurar crime, conforme previsto no artigo nº 261 do Código Penal.

 

O combate ao táxi-aéreo irregular é uma das ações fiscais da ANAC. A Agência orienta aos passageiros que, para sua segurança, sempre consultem a empresa prestadora do serviço e a aeronave que será utilizada antes da contratação do serviço de transporte.

 

Caso anterior

No dia 21 de julho deste ano, em operação de fiscalização contra o TACA, no aeroporto da Pampulha (MG), a ANAC interditou a aeronave de matrícula PP-MCG, que transportava a cantora Anitta também de maneira irregular. Na ocasião, a aeronave foi interditada e o piloto suspenso.

 

Campanha

Nos últimos meses a ANAC vem intensificando a campanha “Voe seguro, não use táxi-aéreo clandestino”, que tem por objetivo coibir a prática clandestina de comercialização de serviços aéreos. As últimas ações ocorreram no final de agosto e início deste mês, culminando na suspensão de sete aeronaves no Mato Grosso do Sul e no Ceará. Acesse mais informações sobre a ação:

http://www.anac.gov.br/noticias/anac-interdita-sete-aeronaves-e-reforca-a-campanha-voe-seguro-nao-use-taxi-aereo-clandestino.

 

Ainda sobre as ações de fiscalização dentro da campanha “Voe seguro, não use táxi-aéreo clandestino”, já foram interditadas aeronaves utilizadas pela cantora Marília Mendonça, pela dupla Maiara e Maraisa e pelo cantor Amado Batista.

 

Para a contratação segura de uma taxi-aéreo, a ANAC disponibiliza no seu portal uma página com instruções para a contratação. Acesse a página aqui: http://www.anac.gov.br/assuntos/passageiros/taxi-aereo.

 

FONTE: ANAC

HELIPONTOS: regulamentação entra em vigor em novembro

Quem possui um heliponto antigo tem o prazo limite de 20 de novembro deste ano para concluir os processos de requerimento de inscrição no cadastro protocolados junto à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), para se enquadrar no RBAC (Regulamentos Brasileiros da Aviação Civil) n° 155, que entra em vigor no dia 21 de novembro e que substitui uma portaria de 1974. A Anac informou por meio de nota que não possui levantamentos de helipontos antigos não homologados.

 

A Abraphe (Associação Brasileira dos Pilotos de Helicóptero) ressalta que a frota de helicópteros em todo território nacional é de aproximadamente 1,7 mil aeronaves. São Paulo é o Estado com o maior número de helicópteros registrados, cerca de 700, seguido por Rio de Janeiro (452) e Minas Gerais (263). Só na cidade de São Paulo, estima-se cerca de 400 aeronaves registradas - segundo levantamento realizado em 2013 pela entidade em parceria com a Anac. Atualmente, na capital paulista, ocorrem em torno de 1.300 pousos e decolagens por dia.

 

Em todo Paraná existem 49 helipontos homologados pela Anac. O Estado possui 127 aeronaves segundo o Anuário Brasileiro de Aviação Civil, divulgado no ano passado pelo IBA (Instituto Brasileiro de Aviação ).

 

Para o major Gustavo Hauenstein, comandante da base norte do BPMOA (Batalhão de Polícia Militar Operações Aéreas), para a PM a existência de mais helipontos na cidade não é tão importante quanto para o socorro médico. "Nós nunca pousamos no heliponto do Hospital do Coração, por exemplo. A nossa aeronave levanta voo e pousa no mesmo hangar. Com o helicóptero eu vou para qualquer lugar da cidade em um minuto", aponta.

 

Hauenstein explica que a área de abrangência da base norte do BPMOA inclui 13 aeroportos que vão de Londrina a Maringá, Campo Mourão, Ivaiporã e todo o Norte Pioneiro. "Futuramente os helicópteros executivos aumentarão na cidade. A aviação executiva está crescendo em Londrina. Temos um empresário que adquiriu recentemente um helicóptero e temos outro empresário que está adquirindo outro helicóptero", declara.(V.O.)

Vitor Ogawa

 

Transporte aéreo é fundamental para hospitais

Para situações de emergência, que exigem rapidez no transporte de pacientes, os helipontos são importantes para que seja possível minimizar os riscos no deslocamento. O coordenador de enfermagem do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) de Londrina, Marcos Laurentino da Silva, diz que a aeronave utilizada pelo Samu chega a voar até 245 km/hora. Dentro dela, há maca retrátil e móvel, sistema de aspiração e oxigênio e equipamentos médicos fixados, que permitem o atendimento durante o voo. No entanto, se não houver heliponto na unidade hospitalar de origem e chegada dos pacientes, muitas vezes há a necessidade de transferência do paciente para uma viatura terrestre.

 

"O ideal seria que o pouso e a entrega do paciente fossem no hospital de destino. O diferencial nosso é o fator tempo. Muitas vezes a gente pousa e a ambulância está aguardando a gente, mas não é raro que a ambulância terrestre esteja atendendo outra ocorrência", lamenta.

 

Laurentino explica que, depois da transferência para a ambulância terrestre, a equipe acompanha a transferência para o hospital. "Com isso a gente perde um pouco de tempo. Se houvesse helipontos nos hospitais de destino o benefício para os pacientes seria imenso", destaca.

 

Rodrigo Nicacio Santa Cruz, diretor técnico do Samu Regional Oeste do Paraná, baseado em Cascavel, ressalta que as operações aeromédicas começaram há cinco anos no município e que no começo houve muitas dificuldades para encontrar espaços de pouso. "Não tinha lugar para pousar a não ser o aeroporto. Depois da implantação do serviço, o Hospital Cardiológico construiu um heliponto e hoje a gente pousa dentro do hospital. Isso traz um ganho gigantesco para o paciente", ressalta.

 

Cruz explica que as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) de Toledo, Guaíra e Terra Roxa também construíram helipontos. "Esses municípios investiram recursos próprios, aproveitando que havia espaço físico nas UPAs. Antes tínhamos que pousar longe dessas unidades e hoje fazemos isso na própria UPA."

 

Cruz ressalta que de vez em quando viaja até o Hospital Universitário de Londrina. "Principalmente quando temos que transferir alguém para o Centro de Tratamento de Queimados. Há um prejuízo grande na logística, porque temos de pousar no aeroporto. Depois disso precisamos chamar uma ambulância terrestre do Samu. Há um tempo para fazer a transferência do helicóptero para a essa ambulância terrestre e existe também o tempo de deslocamento até a unidade. Enquanto fazemos isso, poderíamos ter atendido mais um ou dois pacientes. Se houvesse um heliponto no HU, desceríamos no próprio hospital", afirma.

 

Também é comum fazer transferências de pacientes para o Hospital Infantil Sagrada Família, em Londrina, que também não possui heliponto. "Geralmente são crianças cardiopatas que desembarcamos no aeroporto e depois transferimos para uma ambulância. Dependendo do horário, o trânsito é intenso e isso aumenta o tempo de deslocamento", diz.

 

"Ter um heliponto é fundamental para o paciente. Em Cascavel, a gente precisa de heliponto no Hospital Universitário, que está em obras. Existem vários guindastes que impedem o pouso no local. Com isso não podemos usar o espaço que usávamos anteriormente, hoje estou pousando no estacionamento de um supermercado, que é o local mais seguro. Já mudamos o local de pouso por quatro vezes enquanto não tem um heliponto oficial. Já utilizamos o estádio de futebol, mas agora ele está em obras. Também utilizamos um estacionamento, mas construíram um ponto de ônibus no local", lamenta.

 

O único heliponto em unidade hospitalar em atividade no município fica no Hospital do Coração - Unidade Bela Suíça, na zona sul de Londrina. De Cascavel a Londrina, o trajeto foi percorrido em uma hora e 40 minutos. O heliponto pode ser usado para o transporte de pacientes de qualquer hospital de Londrina. A estrutura também fica à disposição da comunidade para emergência médicas, mesmo se o paciente não for internado na unidade.

 

Na Santa Casa de Londrina, há um projeto de instalação de um heliponto, mas o novo bloco hospitalar tem entrega prevista para o primeiro semestre de 2019, ainda sem heliponto. No Evangélico também não há previsão de instalação desse tipo de estrutura.

 

FONTE: Folha de Londrina por Vitor Ogawa

Aéreas devem repassar ao consumidor alta de combustível e dólar

O presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz, disse nesta quinta-feira (27) que as companhias aéreas devem ter que repassar aos preços dos bilhetes da passagens ainda este ano parte do aumento dos custos do setor de aviação. A variação foi provocada principalmente pelos reajustes de combustíveis e da valorização do dólar sobre o real.

 

"Entre agosto do ano passado e agosto deste ano, o câmbio subiu 25% e o QAV [querosene de aviação] quase 60% e atingiu o maior valor da história, superando os R$ 3,30 o litro", disse Sanovicz a jornalistas.

 

Na aviação brasileira, os combustíveis representam de 30% a 45% dos custos operacionais de cada voo. Já o dólar é utilizado como referência em cerca de 60% das despesas operacionais - incluindo o petróleo, insumo cotado em divisa americana.

 

Sanovicz disse que as companhias aéreas estão conseguindo segurar os reajustes graças às nas taxas auxiliares, como assentos especiais, bagagens e outros serviços. "Mas mesmo essa alternativa pode se esgotar", disse.

 

Segundo o presidente da Abear, o setor vai aproveitar uma audiência pública aberta pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) voltada para discutir as fórmulas de cálculos de combustíveis para sugerir mudanças na equação que determina o valor do litro da querosene de aviação.

 

Segundo Sanovicz, o combustível de aviação no Brasil tem taxas como o de marinha mercante e tributos, como o ICMS, que não existem no exterior. "Essa distorção leva o combustível no Brasil representar o dobro do peso desse insumo nos Estados Unidos", disse Sanovicz.

 

A Abear também está levando aos presidenciáveis uma pauta com os quatro temas mais importantes para a aviação brasileira no momento. A entidade defende a revisão da fórmula de cálculo do combustível de aviação; a defesa tarifária; ampliação de investimentos em infra estrutura; autonomia dos órgãos reguladores.

 

Transporte doméstico

O tráfego na aviação doméstica brasileira cresceu 4,40% em agosto na comparação anual em termos de passageiros-quilômetros transportados (RPK, na sigla em inglês), informou a Abear, que compila dados das associadas Gol, Latam, Azul e Avianca.

 

Na mesma base de comparação, a oferta medida em assentos-quilômetros disponíveis (ASK, na sigla em Inglês) aumentou 4,75%. Como a capacidade aumentou mais que a demanda, a taxa de ocupação caiu 0,27 ponto percentual, para 80,07%.

 

No acumulado do ano, a aviação brasileira tem um crescimento em 2018 de 4,74% em demanda medida em RPK, de janeiro a agosto, ante igual período de 2017. A oferta acumula em 2018 expansão de 4,80%, enquanto a taxa de ocupação médio entre janeiro e agosto deste ano está em 80,78%, ante 80,82% um ano antes.

 

No mercado internacional, as companhias aéreas brasileiras cresceram a demanda em RPK em 15,72% em agosto na comparação anual. A oferta em ASK avançou 19,54%, enquanto a taxa de ocupação das aéreas brasileiras nos voos internacionais cedeu 2,70 pontos percentuais, para 81,61%.

 

No acumulado do ano, as aéreas brasileiras apresentam expansões de 15,64% e 19,08% para demanda e oferta, respectivamente, enquanto a taxa de ocupação está em 82,69% - queda de 2,36 pontos percentuais.

 

Liderança Gol
As quatro maiores companhias aéreas do país registraram em agosto crescimento de demanda, medida em RPK. A Gol aumentou a demanda em 1,8% em agosto ante igual mês de 2017, mas perdeu fatia de mercado, cedendo de 35,07% para 34,19%. A vice-líder Latam aumentou o RPK em 0,34%, mas também perdeu participação de mercado, cedendo de 34,11% para 32,79%. Azul e Avianca cresceram em demanda e também em participação de mercado.

 

A Azul atingiu 19,25% de participação em agosto, ante 17,53% um ano antes, após elevar em 14,64% a demanda em RPK. Já a Avianca ganhou meio ponto percecentual de market share, atingindo 13,77%, após ampliar em 8,17% o transporte de passageiros em agosto.

 

FONTE: Valor Econômico por João José Oliveira

Startup Flapper: o “uber dos jatinhos privados”

Você provavelmente já escutou falar sobre o “uber dos jatinhos privados”, mas sabe o que é e como funciona? A ideia da startup Flapper é oferecer um serviço que conecta empresas de táxi aéreo com passageiros para a realização de voos privados.

 

O aplicativo tem como objetivo democratizar a aviação executiva no Brasil por meio da economia compartilhada.

 

O aplicativo ainda tem como finalidade a tentativa de resolver os problemas da aviação privada. Frotas de aeronaves e de helicópteros estão paradas nas garagens sem funcionar, assim como acontece com os carros.

 

Uma das vantagens para quem usa a plataforma Flapper é que ela proporciona a oportunidade de andar de avião particular por um preço mais acessível. Isso é possível porque a startup agrega a oferta de mais de 20 operadores certificados de táxi aéreo, jatinhos e helicópteros e turbohélices.

 

Como funciona o “uber dos jatinhos privados”

O Flapper, que está disponível tanto para iOS quanto para Android, é parecido com os aplicativos de táxi, caronas ou de mobilidade, como Uber e Cabify. Se interessou pela plataforma e quer saber como funciona? Confira abaixo o passo a passo.

 

1º passo: Instalar o aplicativo no seu smartphone. Após baixar a plataforma, será necessário selecionar um destino.

 

2º passo: Depois que você inserir o destino desejado, a plataforma exibirá os voos que estão agendados para as datas próximas.

 

3º passo: Caso não tenha nenhuma data de voo próxima, será necessário que o usuário crie um novo voo. Para isso, é preciso escolher o local de saída, ou seja, o aeroporto da cidade que deseja, e a hora de embarque.

 

4º passo: A próxima etapa será escolher em qual aeronave deseja voar e quantos assentos comprar. É nesse momento que será possível comparar os valores das passagens.

 

É importante lembrar que também é possível comprar a passagem pelo site da plataforma. O valor médio dos assentos varia entre R$300 e R$600, para o litoral, e R$750 para os destinos das capitais.

 

O “uber dos jatinhos privados” ainda oferece passagens 40% e 50% mais baratas. Isso acontece quando existem muitos lugares disponíveis para o destino de volta.

 

O “uber dos jatinhos privados” e as suas vantagens

Assim como todos os aplicativos de mobilidade, o Flapper tem as suas vantagens para os usuários. E um dos benefícios da plataforma é a possibilidade de agendar o voo em 30 segundos, preenchendo todas as informações necessárias.

 

Outra vantagem do “uber dos jatinhos privados” é que você tem o controle do pagamento por meio do aplicativo. Além de ser possível desfrutar dos serviços personalizados de concierge, ainda existe a facilidade de fretar um jatinho privado ou até mesmo um helicóptero.

 

Outro benefício é que não é necessário realizar o check-in com antecedência, e os voos entre Rio de Janeiro e São Paulo têm duração de apenas 50 minutos. Para as empresas, a Flapper oferece pacotes corporativos com a possibilidade de integrar os principais sistemas de viagens das instituições.

 

Para quem gosta de desconto, o “uber dos jatinhos privados” oferece uma maior economia com a funcionalidade ‘voos de última hora”. Isso porque a plataforma monetiza os voos de volta com 50% de desconto ou até de graça. Esse último é possível para quem é membro do Programa de Fidelidade de Usuários Frequentes da Flapper.

 

O aplicativo tem  parceria com quatro empresas de táxi aéreo, que no total contam com 40 aeronaves incluindo jatinhos e helicópteros. Por enquanto, os destinos disponíveis para ida e volta são:

  • São Paulo – Rio de Janeiro;
  • São Paulo – Belo Horizonte;
  • São Paulo – Angra dos Reis;
  • São Paulo – Paraty – Ubatuba;
  • Ilhabela e Juquehy.

 

Startup recebeu aporte de R$3 milhões

Recentemente, o “uber dos jatinhos privados” recebeu um investimento no valor de R$3 milhões. O aporte foi liderado pelo fundo especializado em tecnologia Confrapar, além do venture capital Travel Capitalist Ventures.

 

De acordo com entrevista dada ao site Startse, o CEO da Flapper explicou que o dinheiro do investimento será usado para o desenvolvimento do marketplace das aeronaves executivas no Brasil.

 

“Nosso plano é construir uma rede de rotas compartilhadas entre aeroportos não disponíveis para clientes de aviação comercial, com foco especial nos destinos premium. Isso exige integração com todo o mercado de viagens, desde agências de viagens até meta-buscas. Além de sistemas próprios de tecnologia.”

 

É importante lembrar que a plataforma já está aceitando pagamentos em cartões de crédito, opção que antes não existia. As bandeiras aceitas pelo aplicativo são Visa, Mastecard e Elo, e os valores podem ser parcelados em até três vezes sem juros.

 

Entenda as regras para cancelamento de viagem

Quem não gosta de viajar? Mas para realizar um passeio, seja em família ou com os amigos, é necessário todo um planejamento financeiro. Porém, às vezes imprevistos podem acontecer e é preciso adiar a viagem ou até mesmo cancelá-la.

 

Mas você sabe quais são as regras para o cancelamento de viagem? Quer entender como funciona e como ter o seu dinheiro de volta em caso de cancelamento? Confira!

 

FONTE: FinanceOne

Product Support Survey 2018, Part 3: Engines

In this year’s AIN Product Support Survey, readers picked a new top-place turbofan finisher, Williams International, with an overall average rating of 8.4 (out of a possible 10). Williams’s rating, up 0.3 from its 2017 results, moved it up from last year’s third-place to first place this year. In the ratings categories, Williams received high scores for technical manuals (8.6) and cost-per-hour programs (8.1) for its FJ44 engines.

 

Rolls-Royce saw a 0.1 increase in its overall rating this year, to 8.3, putting it in second place, the same as in 2017. Top ratings included the highest overall average for a turbofan, an 8.5 for the AE3007. That engine also received high ratings for authorized service centers (8.7), parts availability (8.8), warranty fulfillment (9.1), and overall engine reliability (9.3).

 

GE moved into third place this year, down from last year’s first place, with a slight drop in overall average to 8.2. GE scored a high rating for cost-per-hour programs for its CF34 engine (8.1).

 

Also in third place this year at 8.2 is Pratt & Whitney Canada, up 0.2 from last year’s fourth place. P&WC engines saw top ratings for overall engine reliability (PW500, 9.3) and AOG response and technical reps (PW600, 8.9).

 

Honeywell is moving up in the rankings, having scored 8.0 this year, up 0.2 from last year, and a fourth-place ranking for turbofan manufacturers, up from fifth last year.

 

In the turboprop/turboshaft segment, Honeywell retained its first-place ranking with an 8.7 overall average, up 0.1 from last year’s first-place finish. Honeywell’s TPE331 received top scores in a number of categories, including factory service centers (9.1), authorized service centers (9.1), parts availability (8.7), cost of parts (7.2), AOG response (8.8), warranty fulfillment (8.9), technical manuals (9.1), technical reps (9.3), and the highest ranking for overall engine reliability (9.7).

 

P&WC sustained its second-place ranking with the same score as last year, 7.7.

 

Safran Helicopter Engines came in third with an overall average of 7.4, up 0.4 from last year. The company received the highest score (7.6) for cost-per-hour programs for turboprop/turboshaft manufacturers.

 

CLIQUE AQUI E VEJA O SPECIAL REPORT DA AIN SOBRE MOTORES

 

FONTE: AINonline by Matt Thurber

NOTÍCIAS MÊS 09/2018

© ABAG 2018 . abag.org.br . Todos os direitos reservados

abag@abag.org.br